Sem programação

 

Sem programação

visitante Nº 415805

 
 

Sem programação

 

Sem programação

Prazer, Guga com Bruno Ourique

1/8/2018

Prazer, Guga com Bruno Ourique

Prazer, Guga
 
Torcedores rubro-negros intensificaram, nas mídias sociais, uma campanha pela contratação do lateral-direto Guga, do Avaí. No dia 28 de julho, mais de mil tuites sugeriam a transferência do jogador para o Flamengo. Desconhecido ainda do grande público, a promessa de 19 anos estreou em fevereiro entre os profissionais. Ele até se assustou com a repentina comoção:

– Fiquei surpreso. De um dia para o outro, o meu Twitter não parava. Fico feliz pelo reconhecimento, mas tenho que manter a cabeça no Avaí. Estamos lutando pelo acesso (à Série A), a equipe vem bem no Brasileiro. Precisamos dar sequência para alcançarmos nosso objetivo.

Cláudio Rodrigues Gomes ganhou o apelido de Guga aos 5 anos de idade, por ter o cabelo parecido com o do tenista brasileiro Gustavo Kuerten. O lateral passou pelo infantil do Botafogo, onde jogou por cinco temporadas, até ser dispensado. Aos 15 anos, chegou às categorias de base do clube catarinense. A qualidade técnica e a liderança, evidenciada no empenho em motivar os companheiros, o levaram a assumir um protagonismo entre os jovens jogadores do Avaí.

Guga consolidou-se como destaque na Copa do Brasil sub-20 do ano passado. Seus três gols marcados ajudaram a equipe a chegar à semifinal, depois de vencer Grêmio, Fluminense e Palmeiras. Acabou eliminado pelo Flamengo, que perderia a final para o Atlético-MG.

Credenciado pelo ótimo desempenho, o lateral-direito estreou no time profissional em 2 de fevereiro deste ano, quando o Avaí superou o Criciúma (1 a 0) pela sexta rodada do Catarinense. Apesar do resultado positivo, Guga reconhece que teve uma atuação discreta. Mas, nos jogos seguintes, não decepcionou. Marcou o terceiro gol na vitória sobre o Brusque, com um belo chute de fora da área. Efetivou-se como titular e foi eleito a revelação do campeonato.

– Sempre trabalhei muito, acreditando que uma hora teria minha oportunidade. Contra o Criciúma, não fiz uma boa partida, estava um pouco nervoso por ser a minha estreia no profissional. Aos poucos, fui pegando confiança e melhorando jogo a jogo. Hoje estou confiante e entrosado com a equipe.

Foi no Brasileiro da Série B que o jovem ganhou mais destaque. Ofensivo, o lateral já fez dois gols e participou de outros quatro. Nas 18 rodadas disputadas, é o primeiro da equipe e o segundo jogador do campeonato que mais deu passes para finalizações (35). Mostrou também eficiência na bola parada, ao marcar um gol de falta e um de pênalti. O desempenho ofensivo é favorecido pelo esquema com três zagueiros montado pelo técnico Geninho, que dá mais liberdade para os laterais. Apesar disso, ele não se descuida das funções defensivas: é o líder da equipe em roubadas de bola e o sétimo jogador da competição. Acumula 34 desarmes em 16 jogos.

– Ele (Geninho) montou um esquema que me dá mais liberdade para atacar. Sei das minhas responsabilidades de defender também. Sempre me dá uma dica, algum toque para eu
continuar evoluindo. Mas até que eu não tomo muito puxão de orelha não – brincou.

O sucesso nos gramados desperta o interesse de outros clubes e públicos. Além dos torcedores do Flamengo, Guga já chamou a atenção até de equipes estrangeiras. Há rumores de que o Sevilla, da Espanha, estude a contratação do lateral. A Roma também estaria interessada. O jogador evita o assunto. Prefere, ao menos por ora, usá-lo como incentivo:

– O Avaí está resolvendo. Não me preocupo com essas coisas, deixo para o presidente e os meus empresários resolverem. Eu me sinto mais motivado com tudo isso, procuro trabalhar mais. Penso que as coisas vão acontecer no momento certo. Para isso, preciso manter minha boa sequência.

O Sevilla, inclusive, é um dos ex-clubes de seu maior ídolo e inspiração no futebol, Daniel Alves. Os dois têm características parecidas e despontaram em equipes sem forte projeção na imprensa nacional:
– Admirei e admiro vários jogadores, como o Neymar e o Ronaldinho. Mas o Daniel Alves é o meu maior ídolo. Ele é um fenômeno. Um exemplo de superação, um vencedor. Merece todo esse sucesso.

Seria prematuro prever se Guga seguirá uma trajetória semelhante ao do ídolo, maior colecionador de títulos oficiais entre os jogadores de futebol (o 38º veio em maio, com a conquista da Copa da França). Mas, a revelação do Avaí já coleciona fãs, inclusive de outros clubes.
Matéria de Bruno Ourique

VOLTAR

Mensagem enviada com Sucesso!


Fechar